Um amanhecer para chamar de meu

     A diferença já começou pela localização do hotel, longe do comum. O (muito bem) escolhido foi o Buenos Aires Grand Hotel, na Recoleta.

    O hotel fica na Av. Gal. Las Heras quase esquina com Callao (Las Heras y Callao como costumávamos orientar os taxistas) e de lá andamos muito, para todos o lados.

      O hotel em si é maravilhoso, novinho, vizinhança tranquila, sem barulho, quarto super confortável, temperatura sempre agradável, perfeito. Lá o que mais gostei foi  uma cortina automática de duas camadas: uma persiana colada à enorme janela e uma outra camada formada por uma folha única preta, que quando fechada não permitia a entrada de um único feixe de luz, perfeito pra dormir. E graças a essa cortina, tínhamos um amanhecer para chamar de nosso. No momento mais conveniente, um simples toque no botão, dava permissão ao sol para entrar lentamente no quarto, uma alvorada particular!

A foto não foi tirada por mim, mas o quarto é exatamente assim

A foto não foi tirada por mim, mas o quarto é exatamente assim

      Depois de sair da cama, ia até a janela, abria e ficava alguns minutos olhando as poucas pessoas que passavam pela rua, queria ver como estavam vestidas para ter noção do clima. Via pessoas de idade caminhando, corredores de rua com seus fones de ouvidos alheios a tudo, “homens de negócio”, os passeadores com seus cães… E logo estaríamos nos juntando a eles, seríamos um deles: vestidos com a mesma quantidade de roupas mas com nenhum cachorro, apenas uma mochila e nosso mapa.

     Ficar na Recoleta é quase que ficar em outra Buenos Aires. Que lugar agradável! Alguns poderiam dizer que é um bairro “meio longe”. Bom, depende do referencial. A intenção era fugir do óbvio, como já dito, e o óbvio seria o centro/microcentro que fica “pertinho de tudo”. De fato, mas também fica perto da aglomeração turística e do próprio vai e vem argentino, afinal como em qualquer outra metrópole, existe aquela selvageria urbana que estamos bem acostumados.

     Na Recoleta é diferente. Bairro charmoso, nobre,  com barracas que explodem de tantas flores, gente diversificada, educada,  as ruas largas, além dos passeadores várias pessoas passeando com seus cães e as calçadas sempre limpas, prédios de  arquitetura linda. Você anda observando cada um deles, analisando a decoração externa dos apartamentos,  e diante de tantas placas de aluga-se e vende-se dá para delirar um pouquinho escolhendo qual deles gostaríamos de adquirir.

Recoleta

      Depois de alguns dias, já estávamos nos sentindo moradores… a “pharmacia” na esquina, um Carrefour Express a dois quarteirões, as duas melhores sorveterias (Freddo e Persicco) ali bem pertinho…  lá na  Av. Santa Fe com a Callao o metrô, ou melhor, o Subte. E no sentido oposto, seguindo pela Callao a elegantérrima Av. Alvear. Andar pela Recoleta era obrigação prazerosa!

Anúncios